Home TI News A matemática e a carência de mão-de-obra


Muito se fala no Brasil sobre educação e a necessidade urgente de melhorá-la – em especial para formar mão-de-obra qualificada.

Um excelente artigo foi publicado na Folha de São Paulo recentemente: O verdadeiro gargalo de engenheiros, Folha de São Paulo, 09 de setembro de 2012, por Fernando Paixão e Marcelo Knobel, professores doutores do Instituto de Física Gleb Wataghin, da Unicamp.

No artigo em questão, os professores põem o dedo pontiagudo e cortante na ferida: “a maior restrição está no número de jovens com habilidades mínimas em matemática”. E se baseiam em fatos (e não em achismos ou clichês), retratados em dados do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes).

Bad news: estamos nas últimas colocações!

O fato

O PISA de 2009 envolveu em torno de 470 mil alunos, com idade de 15 anos, de 65 países. Em cada exame são avaliadas três áreas – leitura, matemática e ciências. As notas indicam seis níveis de competência – nível 1, mais baixo; nível 6, mais alto.

Alguns dos resultados: cerca de 88% dos alunos não chegam ao nível 3 – capacidade de interpretar gráficos.

Pior: 96 % não conseguem calcular quantos reais correspondem a tantos dólares se a taxa cambial mudar – além de não poderem estudar Economia, “poderiam ser enganados com facilidade em qualquer outro país”, artigo citado.

E, de cada 10 alunos, 4 não acertaram questão alguma!

O nível 4 (ou superior) reflete competência mínima em matemática: só 3,8% dos alunos brasileiros o conseguiram (outros países: Austrália 38,1%, Canadá 43,3% e Coréia do Sul 51,8%).

Possíveis causas – 1

Fiquei impressionado e pensativo sobre as causas desse desempenho ruim.

Eis que uma luz aparece no artigo A escola de hoje e os alunos que não aprendem, na Folha de SP de 23 de outubro de 2012, do Prof. Roberto Leal Lobo e Silva Filho, professor doutor titular aposentado do Instituo de Física da Unicamp.

Talvez uma única frase desse texto indique o caminho das pedras: É preciso rever modas como o valor universal do trabalho em grupo, a “postura crítica” em vez do conteúdo, a profusão de tudo que é “social” ou extracurricular.

Possíveis causas – 2

Outro ponto de vista, desta vez no Diário Catarinense de 04/11/2012: Por que 89% chegam ao final do ensino médio sem aprender matemática?, de Marcelo Gonzatto.

O diagnóstico: “Começo ruim compromete resultados, aversão cultural cria ambiente negativo, deficiência na formação dos professores e aulas pouco desafiadoras”.

Consolidando

Penso que as causas são um mix dessas aí mesmo. Reverter essa situação é tarefa hercúlea e de longo prazo.

Como bem dizem Paixão e Knobel, não adianta abrir mais vagas, pois nossos alunos têm sérias limitações: a maioria não tem as habilidades mínimas em matemática!

Outro resultado negativo (além do desempenho decepcionante no PISA): a grande evasão dos cursos de Engenharia – um desperdício de tempo e recursos ao quadrado.

Fonte: http://webinsider.uol.com.br/2012/12/10/a-matematica-e-a-carencia-de-mao-de-obra/

   

Leave a Reply

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.