Home Matérias / Concurso Certificações DicasLPI: Trabalhar na linha de comando


Dando continuidade ao assunto iniciado no artigo anterior, iremos continuar “dissecando” o assunto de forma clara e concisa. Vamos, também, apresentar como trabalhar com as variáveis no Bash.

As variáveis usadas no shell são  semelhantes às usadas em linguagens de programação. Os nomes de variáveis são limitadas à caracteres alfanuméricos. Para criar ou modificar uma variável, não devem ser usados espaços:

VARIÁVEL=VALOR_DA_VARIÁVEL

As variáveis prestam-se à armazenagem de valores. Pode-se dizer que, basicament,e existem dois grupos de variáveis: as do usuário e as de Bash. As variáveis do usuário são aquelas criadas pelo próprio usuário (é óbvio) em shell scripts, em funções ou até mesmo na linha de comando. As variáveis do Bash têm objetivos específicos – algumas podem ser utilizadas pelo sistema, outras podem fornecer informações e tem também as que podem ser alteradas pelo usuário como forma de configurar seu ambiente de trabalho. Existem as variáveis especiais, chamadas de posicionais, que armazenam os argumentos da linha de comando passados a funções.

Escopo de variáveis

  • Variáveis locais – São as variáveis definidas no shell corrente. Normalmente usadas em shell scripts;
  • Variáveis de ambiente – São as variáveis exportadas automaticamente a todos os subprocessos, incluindo shell scripts, aplicações e subshells. Largamente empregada na passagem de informações;
  • Variáveis predefinidas – São variáveis no qual o bash armazena informações da sessão corrente.

Nome de variáveis

Os nome de variáveis pode ser formados pelos seguintes caracteres:

  • Alfabéticos (maiúscula e minúscula);
  • Numéricos e sublinhados.

É importante atentar para que o primeiro caractere do nome não seja numérico, havendo distinção também entre maiúscula e minúscula.

Exemplo: repo e REPO são variáveis distintas.

Definição de variáveis

As variáveis não têm tipos pré-definidos. Se o valor a ser atribuído tiver mais de uma palavra, deverá ser escrito entre aspas ou apóstrofos. Se for omitida, assumirá valor nulo. Não pode existir espaços entre o caractere =.

Exemplos:

  • serv=atenas
  • serv1=”GNU Linux”
  • serv2=’GNU Linux’

Exportação de variáveis

Define uma variável de ambiente para a sessão e para todas as sessões iniciadas a partir dela.

Exemplo: export PATH=$PATH:/usr/local/bin

Acessando valores

Os valores podem ser exibidos por meio do comando echo. Exemplo:

  • echo $nome1
  • echo $repo

Removendo variáveis

As variáveis são eliminadas através do comando unset:

unset -v nome2

Com isso, apresentamos as variáveis e seus recursos dentro de um ambiente shell. Para um melhor aprendizado, é interessante praticar para fixar o conhecimento.

Fonte: http://imasters.com.br/gerencia-de-ti/certificacoes/dicaslpi-trabalhar-na-linha-de-comando-parte-02/

   

Leave a Reply

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.