Home Matérias / Concurso História História – Idéias revolucionárias – Cuba, Russia, China


Socialismo

A base do socialismo – o  marxismo

 

Uma definição apropriada para Socialismo, não é tão simples assim. Essa dificuldade é gerada devido ao constante uso do termo socialismo em diversos contextos, isto acaba por tirar o significado central do termo.

A História das Idéias Socialistas possui alguns fatos de importância. O primeiro deles é entre os socialistas Utópicos e os socialistas Científicos, que tem como marca a introdução das idéias de Marx e Engels no universo das propostas de construção da nova sociedade. O avanço das idéias marxistas consegue dar maior estabilidade ao movimento socialista, pois o deixa conhecido internacionalmente.

Isto serviu para unir pensamentos das mais diversas partes do globo.

Mas quem foram os pensadores de destaque , que serviram de base para os idéias socialistas?

 

Karl Marx e Friedrich Engels

As teorias apresentadas por Marx e Engels levaram a uma total modificação do caminho que era percorrido pelas idéias socialistas e  passaram a ser a base do socialismo moderno. Apesar de obras anteriores, o destaque literário fica com o Manifesto do Partido Comunista,que reforma totalmente as idéias socialistas. A partir de sua publicação em 1848, tanto Marx quanto Engels aprofundaram e detalharam, em outras obras, suas teorias e opiniões sobre a nova sociedade e sobre a História da humanidade.

O que mais se destaca nas obras de Marx é sua visão da História e dos movimentos sociais, como ele soube  utilizar os instrumentos de análise que ele próprio criou.

Marx se baseia em três principais correntes do pensamento que vinham surgindo por um bom tempo na Europa, no século passado, coloca-as em relação umas com as outras e as finaliza em suas obras. As três correntes que serviram de base para as teorias de Marx foram: a dialética, a economia e política inglesa e o socialismo.

Para Marx o movimento dialético não possui por base algo espiritual mas sim algo material.

A base central das idéias de Marx é o  materialismo dialético. Mas Marx também investiu suas idéias não só na filosofia como na história com isso ele desenvolveu uma teoria científica: O materialismo histórico. O materialismo histórico, a concepção materialista da história desenvolvida por Marx e Engels,  serviu como  uma ruptura à História geral e compreendida da época.

A história idealista que era a dominante chamava-se de História da Humanidade ou História da Civilização. Isto na verdade era apenas a seqüência na ordem dos fatos históricos. Mas para Marx havia uma coisa a mais. Em primeiro lugar, como materialista, seu objetivo era descobrir a base material daquelas sociedades, religiões, impérios e etc. para  ele o importante era saber qual era a base econômica que sustentava estas sociedades, ou seja, seus métodos  e fontes de produção e abastecimento. Foi por causa disso  que ele se lançou ao estudo da Economia Política,  seu ponto de partida foi a escola inglesa, cujos os destaques eram: Adam Smith e David Ricardo. Em segundo lugar uma vez que a base filosófica de todo o pensamento marxista era o materialismo dialético, Marx queria mostrar o movimento da história das civilizações enquanto movimento dialético. A teoria da História de Marx e Engels foi elaborada a partir de uma questão bastante simples. Eles Examinaram o desenvolvimento histórico da Humanidade, e passaram a notar como era fácil várias  fases da vida cultural, como a filosofia, a religião, a moral, o direito, a indústria,e outros.

 

Comunismo

O sistema comunismo se baseia numa sociedade sem classes, onde todos têm os mesmos direitos, os mesmos ganhos e gastos. O comunismo, tem como base a produção de  seus próprios benefícios, ou seja, os meios de produção são socializados, ou são de todos.

Comunismo lembra mais uma vez as obras de idéias de Karl Marx e também de  muitos outros teóricos tais como; Friedrich Engels, Rosa Luxemburgo, Vladimir Lenin. Uma das mais importantes obras  é ” O manifesto do partido comunista” fundada por Marx e Engels.

Embora o comunismo não tem uma data específica de sua origem, tem-se uma base que o comunismo ficou mais concretizado e divulgado na sociedade logo depois de 1840.

A definição de comunismo, refere-se a um regime social onde existe uma riqueza de distribuição igual e a propriedade comum de todos os bens entre todos na sociedade.

O comunismo foi se desenvolvendo devido as obras literárias, por exemplo Roberto Owen foi o primeiro autor a considerar que o valor de uma mercadoria deve ser medido pelo trabalho a ela incorporado, e não pelo valor em dinheiro que lhe é atribuído. Outro que passou a defender a abolição capitalismo e a substituição por uma sociedade baseada no comunismo foi Charles Fourier.

Partido Comunista dos 40 anos que existiu no Brasil, pelo menos 35 foi ilegal, o que tornou muito difícil sua documentação. Esse partido foi fundado no congresso que realizou nos dias 25, 26 e 27 de março de 1922, porém, três meses depois não era mais considerado legal. O “Manifesto Comunista” foi publicado em livro no Brasil, em 1924. Entre 1917 e 1920 o movimento sofreu grande influência da Revolução de Outubro.

 

A Revolução Russa

A industrialização da Rússia ocorreu bem atrasada, com mais de um século, se for comparada com à Inglaterra, mesmo assim ela foi favorecida pelo fim da servidão, fato este que pode liberar mais mão-de-obra, e com conseqüência mais investimentos estrangeiro.

As péssimas condições de trabalho fizeram que os operários passassem a se organizar, isto fez surgir os partidos, que tinham a base em ideais socialistas. Mas também houve as divergências internas que dividiram em bolcheviques e mencheviques.

Durante reprimidas, as rebeliões populares de 1905 serviram para fortalecer as organizações partidárias e preparar a população para a revolução.

A Primeira Guerra Mundial não foi de muita ajuda pra o governo serviu apenas enfraquecer ainda mais o governo Nicolau II. Em dois anos de luta, seu exército sofreu 7 milhões de baixas. Já com a população civil as perdas se deram por causa da fome , pois como o povo não tinha emprego , não podia ter dinheiro para comprar o alimento necessário e básico para pelo menos conseguir sobreviver.

Em fevereiro de 1917, o czar renunciou e foi instalada uma república liderada por Kerensky. Em novembro, os bolcheviques comandados por Lênin e Trotsky tomam o poder. Logo após, assinam a paz com a Alemanha, efetuam uma radical reforma agrária e passaram a nacionalizar bancos, indústrias e meios de transportes.

Os russos-brancos, apoiados pelas potências capitalistas (Inglaterra, França e EUA), não gostaram e passaram a resistir, com isso  inicia-se uma sangrenta guerra civil que dura três anos (1918-1921), mas é vencida pelo Exército Vermelho.

Depois de duas guerras, a economia russa estava acabada. Para recuperá-la, Lênin adotou a NEP, isso serviriam para afrouxar alguns controles sobre os investimentos estrangeiros, o excedente agrícola e as pequenas empresas (menos de vinte funcionários).

Em 1924, Lênin morreu e foi substituído por Stálin, que passou a perseguir todos os seus adversários (principalmente os apoiadores de Trotsky), e condenar muitos à morte e milhões ao exílio na Sibéria. Suprimiu A NEP e adotou os planos quinquenais  Por isso que a URSS tornou-se, uma grande potência.

 

Revolução chinesa

Com cerca de 400 milhões de habitantes, a China do final do século XIX era um país sob o controle dos interesses das principais potências imperialistas.

Para exercer sua dominação, as nações imperialistas contavam com o apoio de uma propaganda massiva e de certa forma com a colaboração dos imperadores chineses da dinastia Manchu, que dominavam o país desde o século XVII.

Nesse contexto marcado por privilégios e humilhações, fez com que inúmeros chineses se organizassem em atos de rebeldia. Em 1900, por exemplo, os Boxers, membros de uma sociedade secreta que praticava o boxe sagrado, iniciaram uma revolta nacional contra os estrangeiros, mas acabaram massacrados pelos exércitos das potências ocidentais que haviam se unido contra eles.

Embora  eles tenham sido vencidos sua semente,conseguiu ser lançada.

Aos poucos, as camadas populares passaram a fazer parte na luta pela democracia. Finalmente, em 1911, o antigo império chinês desabou. A revolta que pôs fim à monarquia chinesa foi liderada por Sun Yat-sen , nomeado então presidente da República recém-proclamada. Sun Yat-sen, junto com seus seguidores, fundou o Kuomintag , Partido Nacional do Povo, com o objetivo de dar maior atenção ao povo.

A República chinesa, não conseguiu fazer frente às potências estrangeiras e nem aos chefes militares locais, chamados “os senhores da guerra”. Isto porque estes tinham enorme poder nas províncias e controlavam, juntamente com outros grandes proprietários de terra, cerca de 88% das áreas produtivas.

Em 1921, coma disposição de organizar os operários e os artesãos, foi criado o Partido Comunista Chinês (PCC). Seus principais fundadores foram o intelectual Chen-Tu-xiu, o educador Peng-Pai e o ativista político Mao Tse-tung. A princípio, esse partido aliou-se ao Partido Nacional do Povo. Mas essa aliança durou pouco tempo.

Em 1927, o general Chiang Kai-shec assumiu o comando das tropas do Partido Nacional do Povo, disposto a submeter os chefes militares locais. Durante as lutas que então se travaram, Chiang Kai-shec voltou-se também contra os comunistas. A partir daí, a união entre os nacionalistas e os comunistas cedeu lugar a uma guerra entre eles.

Um dos episódios marcantes dessa guerra foi a Longa Marcha , uma caminhada de 10 mil quilômetros que o principal líder comunista, Mao Tse-tung, empreendeu com mais de 100 mil pessoas em direção ao noroeste do país com o objetivo de escapar ao cerco inimigo, destes apenas 9 mil chegaram ao fim da marcha.

A prolongada guerra entre nacionalistas e comunistas foi interrompida apenas por dois motivos. O  primeiro, em 1937, quando se uniram para lutar contra o Japão que havia invadido a Manchúria, no norte do país. o segundo, durante a Segunda Guerra Mundial, para enfrentarem juntos as forças nazi-fascistas.

Em 1º de outubro de 1949,  a China se proclama a República Popular da China.

 

Revolução cubana

Cuba conseguiu libertar-se da Espanha em 1898, com um exército comandado por José martí e composto em sua maioria por ex-escravos que, venceram soldados armados de fuzis e baionetas.

Apesar de politicamente  ser independente, o país passou a ser dominado  de maneira direta e indireta pelos norte-americanos. Estes compravam a maior parte do açúcar cubano, o principal produto de exportação da ilha. Essa dominação foi oficializada em 1901, através da imposição da Emenda Platt, por meio da qual os norte-americanos reservavam o direito de instalar bases militares no país e de intervir militarmente sempre que se achassem ameaçados.

Quase toda a riqueza de Cuba estava  concentradas nas mãos de poucos,  e de empresas norte-americanas instaladas no país. A outra face de Cuba era o fato de milhões de cubanos alimentar-se mal, morar em barracos e viver de empregos temporários. Foi nesse cenário marcado por intensa desigualdade social que um grupo de revolucionários, liderado pelo jovem advogado cubano Fidel Castro, iniciou uma luta contra o ditador Fulgêncio Batista (1934-1958). Depois de uma tentativa fracassada de chegar ao poder, os revolucionários embrenharam-se na Sierra Maestra e, apoiados pelos camponeses partiram para a guerra de guerrilhas. Em janeiro de 1959, quase dois anos depois de iniciada a guerrilha, Fidel e seus companheiros, entre eles, o médico argentino Ernesto “Che” Guevara, conseguiram conquistar o poder, e o ditador foi mandado para fora do país.

Algumas das medidas do novo governo foram:

» a reforma agrária;

» redução em 50% nos aluguéis, de 25% nos livros escolares e 30% das tarifas de eletricidade;

» nacionalização de usinas, indústrias e refinarias.

Os norte-americanos por acharem que ficariam no prejuízo, deixaram de comprar o açúcar cubano. Então o governo de Fidel fez acordos comerciais com os países do bloco comunista.

A reação americana foi de romper relações diplomáticas com Cuba em janeiro de 1961.

Em 1962, ocorreu a “Crise dos Mísseis”, quando o então presidente norte-americano John Kennedy bloqueou a ilha por mar, e ameaçou invadi-la sob a alegação de que os soviéticos tinham ali instalado mísseis nucleares. O conflito foi resolvido por meio de um acordo entre os EUA e a URSS que determinava a retirada dos mísseis soviéticos, em troca do compromisso de os norte-americanos não invadirem a ilha.

Neste mesmo ano, Cuba foi expulsa da OEA (Organização dos Estados Americanos) o motivo era a exportação dos ideais socialistas para todo o continente. Na verdade o objetivo dos americanos era isolar o governo de Fidel Castro. Mas com o passar do tempo os países latino-americanos foram reativando suas relações com Cuba.

Fonte: http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia030.asp

   

Leave a Reply

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.