Home Matérias / Concurso História História – Invasões bárbaras e Império Carolíngio


INVASÕES BÁBARAS

Os povos germânicos contribuíram muito para o fim do império Romano do Ocidente. entre estes povos estavam: Francos, Lombardos, Visigodos, Ostrogodos, Anglos, Saxões,Vândalos, Suevos e Burgúndios.

Estes povos eram chamados bárbaros, porque tinham costumes sociais, políticos e econômicos diferentes dos de Roma. Além de usarem  idiomas diferentes do grego e do romano.

Os germânicos entraram no território por duas formas:

» migrações: eram incentivados pelos romanos que visavam os jovens germânicos para reforço no exército no controle das fronteiras.

» Invasões: feitas de maneira violenta, com intenção de expulsar os romanos e tomar suas terras.

As migrações foram durante os séculos III – IV. As invasões já foram mais adiante , a partir do século V.

Um dos fatores que impulsionaram as invasões germânicas foi  a chegada dos hunos ( mongóis) à Europa. Estes vindo da Ásia , começaram a invadir vários territórios germânicos, obrigando-os a entrar no domínio Romano.

Os hunos aniquilaram os  Ostrogodos em 375. e logo em seguida os Visigodos. Para fugir deles o chefe dos visigodos pediu permissão ao imperador romano para entrar no seu território. Esta permissão foi concedida e para arrependimento do imperador romano, os germânicos entraram e saquearam e destruíram muitas das cidades e aldeias romanas.

A maioria dos reinos bárbaros tiveram vida curta. Somente os Francos conseguiram se organizar, estruturar e expandir seus domínios.

 

REINO FRANCO

Os francos já faziam incursões desde o século II, no território da Gália, que era do império romano.  A diferença deles para os outros povos bárbaros foi  justamente a sólida estrutura política que ajudou na expansão.

Algumas dinastias se destacaram. A primeira foi a  Merovíngia. Foi nesta que começou a expansão do império Franco. Anexando vários territórios vizinhos. Seu rei Clóvis(482-511), converteu-se para o cristianismo e promoveu uma aliança com a igreja.

Isso favoreceu ambas as partes. Pois de um lado o Papa fortaleceu o poder do rei e por outro o Papa teve o apoio  político  e militar contra os imperadores bizantinos.

Clóvis, era neto de Meroveu ( primeiro líder dos francos). Depois da morte de Clóvis, seus quatro filhos dividiram o reino , enfraquecendo-o politicamente. A reunificação só ocorreu no reinado de Dagoberto( 629-639).

Mas seus sucessores, não foram muito exemplares como governantes. Não estavam tão preocupados com a administração do reino, levavam uma vida desregrada, em prazeres e divertimento, por isso passaram a ser conhecido por  reis indolentes.

Na prática quem governava o reino era um alto funcionário da corte, o prefeito do palácio ou mordomo do paço . este sim desempenhava o papel de verdadeiro rei.

O mais famoso deles foi Carlos Martel (714-741), que conseguiu deter a invasão muçulmana na Europa, vencendo-os em Poiters, em 732.

Após sua morte, seus poderes políticos foram passados a seu  filho, Pepino, o Breve. Em 751, ele destronou o rei Childerico III, o último rei merovínio e fundou a dinastia Carolíngia.

Foi reconhecido rei pelo Papa. por isso lutou contra os lombardos, povo que ameaçava o poder da igreja. Na vitória cedeu o território de Ravena e reforçou o poder temporal da igreja. Isso tudo deu origem ao Patrimônio de São Pedro, que se tornou o estado da igreja católica.

 

IMPÉRIO DE CARLOS MAGNO

O império carolíngio não tinha sede fixa. Ela era onde o rei e sua corte se encontravam. Embora a cidade onde o rei passava mais tempo era Aquisgrã,no palácio das fontes de águas quentes.

Em 768, Carlos Magno, assumiu o trono e governou até 814. realizou muitas conquistas, expandindo as fronteiras do império. Com isso Carlos garantiu a dependência entre poder central e nobreza. Porque parte  das terras conquistadas eram doadas à aristocracia que por sua vez tinha um compromisso de lealdade para o rei-susserano.

As vitórias de Carlos Magno expandiram não só seu território mas também a fé católica sobre as outras religiões.

Suas maiores conquistas foram:

» 773 – derrotou os lombardos anexando em seu território o norte da Itália.

» 778 – estabeleceu uma posse franca na Espanha.

» 804 – submeteu os saxões que haviam no norte do seu reinado.

O êxito de suas conquistas teve o apoio da igreja. Em 800, Carlos Magno recebeu do Papa Leão III a bandeira de Santo Sepulcro, sendo aclamado ‘’ imperador dos romanos’’. Seu reino foi o mais extenso da Europa Ocidental.

A propriedade da terra era a fonte de riqueza e de prestígio.

Para administrar um império tão grande , Carlos Magno estabeleceu muitas normas escritas, as chamadas capitulares, que funcionavam como leis.

Entre os administradores estavam:

» Condes: responsáveis pelo cumprimento das capitulares e pela cobrança de impostos dos condados,ou seja, territórios do interior;

» Marqueses: cuidavam dos territórios situados na fronteira do império, ou seja, dasmarcas.

» Missi-dominici: inspetores do rei, que  viajavam por todo o reino para fiscalizar a atividade dos administradores locais.

Carlos Magno preocupou-se em promover o desenvolvimento cultural de seu reino. Então ele , apoiado por intelectuais, abriu escolas e mosteiros, apoiou a tradução e a cópia de manuscritos antigos e protegeu artistas.

Seu governo foi marcado por atividade intelectual nas áreas das letras, artes e educação. Isso foi chamado de Renascença Carolíngia, que contribuiu para a preservação e transmissão da cultura da antiguidade clássica.

Após a morte de Carlos Magno, em 814, o governo passou para seu filho Luis,O piedoso,que permaneceu no poder até 841. Isso mostra que o grande reino de Carlos Magno não durou muito. Porque já com os seus netos começaram as disputas.

Seus netos eram: Lotário, Carlos o calvo e Luis o Germânico. Depois que esgotaram o império os irmãos assinaram o  Tratado de Verdum(843).

Esse tratado dividia o reino em três partes.

A Luis coube a França Oriental( atual Alemanha);Carlos herdou a França Ocidental( atual França); Lotário  ficou com o território do centro da atual Itália até o Mar do Norte, que se chamou Lotaríngia.

Essa divisão do poder real e do território foi acompanhada de uma crescente autonomia e independência dos Condes.

A parte que ficou com Luis deu origem a um novo império, o Germânico. Até o século X, os grandes senhores feudais daquela região eram fiéis aos descendentes de Carlos Magno. Após o fim da dinastia Carolíngia, a Germânia passou a ser controlada por cinco famílias , onde o poder das terras ficaram divididas em cinco ducados:

Saxônia, Lorena, Francônia, Baviera e Suábia.

Entre estes reis não havia sucessão dinástica.

Os reis germânicos continuaram na tradição Carolíngia  e aliaram-se ao Papa, levando o nome do império para Sacro Império Romano- Germânico.

Este império durou até o início do século XIX, quando foi destruído pelas guerras napoleônicas.

E assim mais um império desaparece, deixando para as gerações seguintes sua cultura e personagens importantes para serem estudados e assim lembrados mais uma vez.

Fonte: http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia012.asp

   

Leave a Reply

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.