Home Tutoriais Redes IPv6 – 6to4


O 6to4 (RFC 3056) é umas das técnicas de transição mais antigas em uso e é a técnica que inspirou a criação do 6rd. Sua concepção era simples e muito interessante: com ajuda de relays pilha dupla distribuídos na Internet, abertos, instalado de forma colaborativa por diversas redes, qualquer rede IPv4 poderia obter conectividade IPv6, através de túneis 6in4 automáticos.

Por meio do 6to4 qualquer computador com um IPv4 válido poderia funcionar como uma extremidade de um conjunto de túneis automáticos e prover todo um bloco IPv6 /48 para ser distribuído e usado em uma rede.

A técnica funcionou parcialmente e ainda é usada na Internet, mas apresenta diversos problemas. De fato, talvez tenha trazido mais problemas para a implantação do IPv6 de forma geral, do que ajudado.

O 6to4 é composto dos seguintes elementos:

  • Relay 6to4: roteador com suporte ao 6to4 e que possui conexão nativa IPv4 e IPv6. Ele funciona como a extremidade dos túneis automáticos para os Roteadores 6to4 que precisam se comunicar com a Internet IPv6. Os relays 6to4 usam o endereço anycast IPv4 192.88.99.1 e anunciam rotas para 2002::/16 através deles, para a Internet.
  • Roteador 6to4: roteador que suporta 6to4 que fica na extremidade de uma rede IPv4 e é responsável por trazer conectividade IPv6 para esta rede, por meio dos túneis 6to4.  No caso dos acessos à Internet IPv6, ele direcionará o tráfego até o Relay Router mais próximo, que encaminhará o pacote ao seu destino. Para acesso a outras redes 6to4, os túneis são fechados diretamente com outros Roteadores 6to4.
  • Cliente 6to4: equipamento de rede ou computador que usa endereços IPv6 fornecidos pelo túnel 6to4. O cliente 6to4 é um cliente pilha dupla convencional, normalmente numa rede doméstica ou corporativa, que pode usar IPv4 nativo ou compartilhado. O cliente não diferencia um endereço IPv6 obtido via 6to4, de um endereço IPv6 nativo.

 

As funções de Roteador e Cliente 6to4 podem estar presentes no mesmo equipamento. Um desktop convencional, por exemplo, usando Windows Vista, atua de forma automática como Roteador 6to4, desde que tenha um endereço IPv4 válido disponível.

O endereçamento 6to4, conforme definição da IANA, utiliza o prefixo de endereço global 2002:wwxx:yyzz::/48, onde wwxx:yyzz é o endereço IPv4 público do cliente convertido para hexadecimal. O exemplo a seguir mostra como fazer a conversão de endereços:

Endereço IPv4: 200.192.180.002.

200=C8
192=C0
180=B4
002=02
Com isso, o bloco IPv6 correspondente, via 6to4, é 2002:C8C0:B402::/48.

A figura e tabela abaixo demonstram o fluxo dos pacotes em uma rede 6to4. É importante notar que não existe a necessidade de os pacotes irem e voltarem pelo mesmo relay 6to4. As etapas 1, 3, 4 e 6 utilizam pacotes IPv6 e as etapas 2 e 5 utilizam pacotes IPv6 encapsulados em IPv4 através do protocolo 41.

img41-a

img41-b

1 De acordo com a tabela de roteamento, o pacote é enviado através da rede local IPv6 para o roteador R1 utilizando a rota ::/0;

2 O pacote IPv6 é recebido por R1 através da interface LAN, que verifica sua tabela de roteamento e descobre que deve enviar o pacote para a interface virtual 6to4 (rota para a rede 2002::/16). Nesta interface o pacote IPv6 é encapsulado em um pacote IPv4 (protocolo tipo 41) e enviado ao Relay RL1 ou RL2 (O Relay 6to4 pode ser definido manualmente no roteador 6to4 ou então automaticamente através da utilização do endereço anycast 192.88.99.1). Vamos supor que o pacote foi enviado para o Relay RL1;

3 RL1 recebe o pacote 6to4 através de sua interface IPv4, vê que o pacote utiliza o protocolo 41 e o encaminha para a interface virtual. Esta desencapsula o pacote IPv6 e verifica na sua tabela de roteamento que deve enviá-lo pela interface LAN através do roteador R3, que simplesmente repassa o pacote IPv6 ao servidor S2;

4 S2 responde com o envio de outro pacote IPv6 com destino ao Cliente C2 utilizando a sua rota padrão, que aponta para o roteador R3. R3 recebe o pacote e, através da rota recebida via BGP, sabe que deve enviá-lo para o relay mais próximo, que é RL2;

5 RL2 recebe o pacote IPv6 e verifica que o destino é a rede 6to4 (2002::/16). Deste modo, de acordo com sua tabela de roteamento, ele encaminha o pacote para a interface virtual 6to4, que o empacota em um pacote IPv4 (protocolo 41) e o envia ao endereço IPv4 implícito no endereço IPv6 do destinatário do pacote;

6 O roteador R1 recebe o pacote através de seu endereço IPv4, verifica que o pacote está utilizando o protocolo 41 e o encaminha à interface virtual 6to4. Esta o desencapsula e verifica o endereço de destino. De acordo com sua tabela de roteamento e o endereço de destino, o pacote IPv6 é enviado através da sua interface LAN para o Cliente 6to4 C2.

Figura 41: Topologia e funcionamento do túnel 6to4

Dentre os problemas que afetam o 6to4, pode-se citar problemas de qualidade com relays públicos e problemas de segurança. Alie-se a isso o fato de que diversos sistemas operacionais suportam túneis 6to4 de forma automática, entre eles o Windows XP, o Windows Vista e o Windows 7.  O fato dos sistemas operacionais ativarem os túneis 6to4 sem intervenção ou conhecimento dos usuários traz algumas consequências sérias. Uma delas é que firewalls ou outras medidas de segurança em redes corporativas podem ser inadvertidamente contornadas. Outra, é que, via túnel, os pacotes podem seguir caminhos mais longos, trazendo uma experiência pior para o usuário, em comparação àquela que ele teria se estivesse simplesmente usando IPv4. Um agravante é que não há relays públicos 6to4 no Brasil, ocasionando a ida do pacote para localidades distantes como América do Norte ou Europa, mesmo que a origem e o destino estejam no país.

Provedores de conteúdos e serviços na Internet podem sofrer com a questão, pois ao implantar o IPv6 em um servidor Web, por exemplo, usuários que antes acessavam-no bem via IPv4, podem passar a fazê-lo de forma lenta e instável, via IPv6 obtido automaticamente por meio de um túnel automático 6to4. Isso já foi motivo para adiamento da implantação do IPv6, mas atualizações dos sistemas operacionais têm mudado seu comportamento e o número de usuários potencialmente afetados diminuiu para patamares muito pequenos e aceitáveis.

Ainda assim, é recomendável agir para mitigar esse problema, principalmente porque existe uma medida bastante simples e efetiva, que pode ser utilizada. Deve-se lembrar que o caminho de ida do 6to4 pode ser diferente do caminho de volta. Isto permite que um relay 6to4 seja criado em um servidor Web, ou em uma rede, com o objetivo de responder as requisições recebidas via 6to4. O relay não deve ser público, apenas servirá para responder às requisições dirigidas ao serviço advindas de clientes 6to4. A implementação deste relay não irá reduzir o tempo gasto para receber pacotes 6to4, mas garante que os pacotes 6to4 de resposta saiam da rede com destino ao originador da requisição, já encapsulados em IPv4 e isto dará a vantagem do tempo de resposta ser consideravelmente reduzido, já que não será necessário o pacote ir até o relay localizado no exterior. Esta redução pode melhorar bastante a experiência de acesso de um usuário que utilize 6to4 para acessar um serviço qualquer.

Para implementar este relay é necessário que os roteadores de borda da rede permitam a saída de pacotes com IP de origem 192.88.99.1. Provavelmente isto estará bloqueado por padrão na rede já que este IP não faz parte do bloco a ela designado. É preciso verificar também se o provedor de upstream não está filtrando também esse endereço. Normalmente se a rede em questão for um AS, com bloco próprio, o upstream não terá filtros antispoofing. Caso contrário, terá. Com a liberação do endereço, basta configurar o próprio servidor Web, ou um outro elemento na rede, para fazer o encapsulamento das respostas usando 6to4. No Linux a configuração para isto é:


ip tunnel add tunel6to4 mode sit ttl 64 remote any local 192.88.99.1

ip link set dev tunel6to4 up

ip addr add 192.88.99.1/24 dev lo

ip -6 addr add 2002:c058:6301::/16 dev tunel6to4

ip link set lo up

Para redes corporativas, é recomendável bloquear o protocolo 41 para evitar a utilização de túneis automáticos IPv4 pelos usuários. É possível também desabilitar essa função no Windows. Para isso deve ser criada e configurada uma chave de registro, do tipo DWORD:

HKEY_LOCAL_MACHINESYSTEMCurrentControlSetServicestcpip6ParametersDisabledComponents

Ao fazer isso, a chave será criada com o valor 0×00. O bit 1 (do menos significativo para o mais significativo) deve ser mudado para 1, para desabilitar o 6to4. Ou seja, o valor da chave deve passar a ser 0×01. A função de todos os bits é descrita a seguir. Note que 0 é o valor padrão e significa que a função está ativa, 1 desativa a função:

bit 0: todos os túneis IPv6, incluindo ISATAP, 6to4 e Teredo;
bit 1: 6to4
bit 2: ISATAP
bit 3: Teredo
bit 4: interfaces IPv6 reais
bit 5: preferência por IPv4 e não IPv6

O 6to4 é, então, um protocolo com histórico importante, mas cujo uso deve ser evitado atualmente. Deve-se desativá-lo em redes corporativas e bloqueá-lo nos firewalls. Contudo, para redes pilha dupla que têm serviços IPv6 públicos na Internet, principalmente servidores Web, é recomendada a instalação de um relay 6to4 para responder a solicitações de usuários externos usando essa tecnologia, mitigando parte dos problemas trazidos pela mesma.

Fonte: http://ipv6.br/entenda/transicao/#tecnicas-6to4

   

Leave a Reply

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.